Funer?ria

TERçA, 14 DE AGOSTO DE 2018 | |

Princesa Isabel, PB

Portal Cruzaltense no FacebookPortal Cruzaltense no TwitterPortal Cruzaltense no Google PlusFale conosco
Publicado em 09/05/2018 às 09:20:42

Museu Erico Verissimo terá programação especial na Semana Nacional de Museus

De 14 a 18 de maio atividades abordarão o tema "Tropeirismo"

1096_erico3.jpg

"Se não fosse o Tropeirismo nós não existiríamos enquanto cidade", afirma Rossano Cavalari, historiador e coordenador municipal dos Museus. Considerando a importância do tema, durante a 16ª Semana Nacional de Museus, a Casa Museu Erico Veríssimo terá programação especial abordando o Tropeirismo. As Secretarias Municipais de Educação e de Cultura e Turismo são parceiras na promoção das atividades.

De 14 a 18 de maio, a comunidade poderá conferir a Mostra de Imagens. Serão expostas as fotografias do cruz-altense Tino Espina e gravuras do francês Jean-Baptiste Debret, do alemão Johann Moritz Rugendas e do brasileiro Getulio Delphim, na Casa Museu Erico Verissimo. O coordenador orienta que as escolas e grupos efetuem o agendamento para visitação no fone 3322-6448.

Já no dia 16, será realizado o "Seminário de Tropeirismo - A ancestralidade tropeira de Erico". Com a abertura marcada para às 14h15, na Casa de Cultura Justino Martins, será dividido em dois turnos: tarde e noite. A entrada é franca e os inscritos receberão certificado.

O primeiro a falar será Cavalari, que apresentará o tema e a sua importância para Cruz Alta e sua gente. Logo após, o tradicionalista e mestre em Botânica, Valter Fraga Nunes, e o empreendedor do Projeto Caminho das Tropas e criador de mulas Marco Aurélio Angeli, assumem para palestrar sobre "Material e métodos para o ensino-aprendizagem sobre Tropeirismo nas escolas".


A programação retomará às 19h30, com Rossano Cavalari, que tratará sobre a relação do escritor Erico Verissimo e os tropeiros. O instrumentista Marcelinho de Carvalho, intérprete Nando Soares e o coreógrafo Vladimir Colombelli realizarão uma apresentação cultural da Dança do Cateretê, uma dança coletiva e popular do folclore brasileiro associada às atividades dos tropeiros. Em seguida a professora Lucila Sgarbi dos Santos falará sobre "Identidade, Significado e Características do Tropeirismo".

Antes de finalizar o Seminário com a sessão de autógrafos do Livro Cidades Tropeiras do Sul do Brasil, o autor pós-graduado em Economia Industrial e em História Regional, Luiz Antônio Alves abordará o tema "Cidades Tropeiras do Sul do Brasil", juntamente com Sandra Maria Schmidt Alves.

             

O Tropeirismo

De acordo com Cavalari, o roteiro de tropeiros e a comercialização de tropas de mulas movimentou a economia de uma forma avassaladora. "Foi esse ciclo econômico do Tropeirismo que potencializou o surgimento da cidade e alavancou uma série de elementos que fizeram com que o progresso viesse junto. Logo vieram as indústrias de apoio, os armazéns e os hotéis. Em seguida temos a informação de que os pequenos povoados começaram a surgir", conta. Ele ainda esclarece que nos primeiros anos de Cruz Alta, o Tropeirismo foi quem manteve economicamente o município e isso foi um destaque, inclusive em relação a outros municípios do Rio Grande do Sul.

"Alguns desses tropeiros acabaram migrando e vivendo nesse lugar e isso foi trazendo também atos, costumes, uma forma de comércio e de indústria. Veio gente de São Paulo, de Santa Catarina, do Paraná, em grande escala nesse momento, bem como de portugueses. Um exemplo claro disso são os antepassados do escritor Erico Verissimo, já que quase todos foram tropeiros e acabaram migrando para cá", relata o historiador.


Da Redação: Susana Antunes. 

shel

Deixe seu comentário